domingo, 27 de dezembro de 2009

A desordem e o caos na educação infantil: a diferença possível e necessária em 2010


No jardim do Éden, o pecado se originou da mulher que morde a maçã e oferece ao homem a outra parte do que era-lhes proibido e do erro original de ambos, tentados por aquilo que não podiam, adveio a desordem do mundo: a dor, a violência, a separação, a fome, o labor (laborare, em latim, é sofrimento, esforço penoso); a vocação, o lar e o lazer aliviam. Outros olhares valorizam outros enredos do contexto. Depende da intenção.

As faces deste recorte tencionam falar do jardim de nossas infâncias. Os desenhos, as falas, a música, a ordem, a indisciplina, as risadas, o desconcerto, a piada, as matintas-perêras assustadoras, os lobos-maus em volta, os bosques escuros, os fantasmas assombrando, o medo de escuro se impondo nos cotidianos, as palmatórias e as sabatinas a ameaçar. A história (re)voltando, revolvendo, remexendo.

De qual semente viemos? Froebel (1912) cuidava de formar jardineiras, substitutas das mães, em um mundo mais feliz, cheios de belas flores. Crianças livres a brincar. A ordem traz a felicidade. A desordem, o caos. E nós vamos por qual caminho? Do alfinete ou das agulhas? Qual chega mais rápido?

Que escola queremos para 2010? A da ordem ou da desordem? Como se equilibra cultura e ciência, saber e conhecimento? Pelas mediações sensíveis e por isso inteligentes. Pode haver outras respostas. No momento satisfaz.

Valorizar as percepções, o conhecimento, as relações, as ideias... Assegura-se a aprendizagem pela compreensão, não somente através de ensaios e erros, daquela feita, de cabeça-bem-feita, os conhecimentos se tornam possíveis, acessíveis e podem ser melhor adquiridos. Bem formados. A afetividade é o motor da inteligência. O que afeta? O que é afeto? Quem afeta? Sobre quem e para quem? Interdependências! Inclusão.





A criança quando desenha expressa a forma como vê o mundo na ponta de seu lápis, riscos leves, riscos fortes, sentimentos mil por hora ou devagar quase parando. Qual é o combustível? Também na assincronia do mouse diante do paint pela primeira vez. O toque criativo frustra e requer do adulto o desenho bonito para só pintar, o programa pronto que no leve toque a cor se ajusta no espaço dado.

Assim, o erro não é permitido, a irregularidade é vergonha ou motivo de piada. Depende do observador. A mão cobre o feito. A mão desiste da autoria pois se percebe incapaz. Os movimentos precisam corresponder aos demais, as falas devem estar num coro só, a música cotidiana traz os mesmos gestos, e ali tudo é felicidade. Quem ousa ser diferente? Quem diz/mostra que as coisas podem ser diferentes.

Nasce o que é bom. Segue-se o mestre. Modelos prontos perfilam no varal. O mais borrado é escondido das vistas. Por quê? Quantas histórias experimentam o lugar comum e tantas poucas ousam ouvir narrativas, aceitam os desenhos livres, incentivam os traços, a rabiscação, o borrão, a descoberta - a partir do movimento circular - do círculo verdadeiro. Dele vem o boneco, até mesmo antes do fechamento completo, já se pronuncia a tal bola que bateu e derrubou o copo de cima da mesa de casa e caiu na cabeça do gato e bem no momento que o pai chegou em casa e daí... e daí... e daí!? O borrão esconde o pecado. Alguém perguntou? E o respeito à liberdade?


Como ver as diferenças? Os diálogos de meninos e meninas. A mídia escancara. Quem dialoga?

Os desenhos trazem narrativas e não mais a casa, a árvore, o sol, a montanha, a chaminé, o sorvete, a menina, o elefante, os pássaros no céu. O que está acontecendo naquele cenário? Que casa é aquela? Como a menina passa por aquela porta diminuta? Por que a menina está feito uma estátua segurando um sorvete? Como a geometria se delineia enquanto perspectiva, figura fundo e segredos? O desenho é para a professora. A professora carimba com um "está lindo", "ótimo", "pinte no limite do desenho" etc. E a conversa?

O filme abaixo nos exige breque com conformação ou mudança, é ficção ou realidade?

A ciência do caos tem ligações com disciplinas científicas tradicionais, unindo tipos não-correlatos de descontrole e irregularidade: da turbulência do tempo até os ritmos complicados do coração humano, do desenho dos flocos de neve até os redemoinhos das areias do deserto varridas pelos ventos. Apesar de sumamente matemático em sua origem, o caos é uma ciência do mundo cotidiano, formulando indagações que todas as crianças já se fizeram: sobre a forma das nuvens, sobre a causa da ascensão da fumaça, sobre a maneira pela qual a água forma vértices numa correnteza (GLEICK, 1993).
A educação é uma questão de gênero? É específico de Eva! Mulheres são mais sensíveis e aceitas entre as famílias. Os homens podem cuidar e ensinar crianças diante dos escândalos da pedofilia? O tema dá um bom debate sobre cultura e educação. A escola dos "pequeninos ou maiorzinhos" é predominantemente feminina. Os meninos veem a professora como uma eunuca, a mãe. Mulher pode. Homem não pode dar aula para crianças. O dito que não é dito e a cultura vela, inconsciente ou não. Assim desvelam os números, da Revista Nova Escola. Que país é esse? Ele se mostra em cada rincão brasilense e bamboleios. Em cada metro quadrado
de escola. A universidade exige pessoas inteligentes. Acolá os homens tem maior número que outros níveis de ensino. Alguém se perguntou por outros números? Por exemplo, por que meninos (sen)tem mais dificuldades de aprendizagem? Por que há mais meninos retidos que meninas? E os números da defasagem? A aprendizagem é uma questão de gênero?

Devemos pensar em recomeçar ou fazer diferente revendo experiências vividas, percorridas e percebidas. Dezembro possui uma energia toda especial, universal, flagramo-nos no amanhã bem ali, dispostos a melhorarmos como seres humanos por causa da passagem para 2010. Por que sempre sentimos a necessidade de evoluirmos na roda-viva? Podemos mudar nossos comportamentos e quebrar padrões para que não se repitam; se erramos, levantamos com as perspectivas das aprendizagens necessárias e possíveis. Podemos fazer com que a nossa própria energia se transforme em sentimentos positivos.

Nem tudo está perdido se não conseguirmos realizar o pretendido, se as mudanças não se efetivam. Tiquinhos de esperanças pululam diante da perplexidade de tanta guerra, morte, crueldade, verdadeiras barbaridades presenciadas a cada minuto na mídia e também a partir do local onde nos encontramos. E o nosso mundo interno? Pode ser melhor e novas conquistas se tornam possíveis.

Não há mudanças repentinas. Não há relação de poder que não se seja acompanhada da criação de saber, e vice-versa, segundo Foucault. Mudar não está acima de nós, exige-nos questionamento reconstrutivo, proposições. A criança inquieta o poder estabelecido por uma sociedade e em um dado grupo social. Nosso medo e insegurança de conseguir realizar alguma mudança pode ter a origem na infância, quando nos faziam acreditar que não seriamos ouvidos e capazes de resolver algo por nós mesmos. Que deveríamos somente ouvir, obedecer e aceitar, não poderíamos questionar, sermos alegres, amorosos e com desejos, interesses e atitudes.

Nem sempre é possí­vel ter certeza do resultado de nossas escolhas, mas lembrar-se de que se não mudar ou tentar, os resultados poderão ser os mesmos e a insatisfação continuará ao final do outro ano. É isso o que se quer? Para mudar o resultado teremos que mudar alguns pensamentos e comportamentos. Como você e eu podemos começar? Repensar, arregaçar mangas e ir em frente! Qual pode ser o primeiro passo? Isto só cada um de nós pode responder, e nem precisamos esperar o próximo dia 31 de dezembro, mas iniciar o processo de mudança desde já! Para saber quais respostas desejamos é preciso saber ouvir aquela voz que nos fala bem no fundo da alma e raramente nos permitimos ouvi-la: ouvi-la é o aprendizado primário - pois é somente a voz do coração que clama por amor, compreensão e paz sobretudo conosco mesmo. Um exercício diário em 2010, a cada dia e todos os dias. Simples assim! Que nossos sagrados sonhos se realizem! É a paz! É o contexto necessário para estar com o outro e continuarmos caminhando.

Referência:
GLEICK, James. Caos: a criação de uma nova ciência. 2 ed. Trad. Waltensir Dutra. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1993.
FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 29 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

6 comentários:

  1. Olá Maria,
    Parabéns pela postagem!
    Geldes

    ResponderExcluir
  2. Oi, Roccio. Estou lendo um livro que vem dialogar nesta perspectiva do seu post. Do filósofo e educador brasileiro Huberto Rhoden, Educação do Homem Integral, da editora Martin Claret. O livro deveria ser leitura obrigatoria para todos os educadores - pais, professores, religiosos em geral - pois acho que está justamente aí o xis da questão de muitos questionamentos que fazemos sobre o que está errado na educação e sobre para onde está indo a nova geração. Acredito que seus questionamentos, muito pertinentes, devem ser coletivos e respondidos coletivamente, só assim teremos a sociedade e a educação que tanto almejamos a cada finalização de ano. Abração!!

    ResponderExcluir
  3. Nossa... fiquei encantada com o filme, simplesmente espetacular, nos leva a uma verdadeira reflexão do significado do que é uma verdadeira educação,adorei.
    Feliz ano Novo com muitas e novas reflexões.
    Aprendizes.

    ResponderExcluir
  4. Geldes, Jamille e Aprendizes,
    Que tenhamos neste 2010 muito sucesso com as crianças e adolescentes que estão precisando muito de nós no ensino infantil e fundamental e em todos os níveis. Precisamos de mais perguntas para nos mobilizar em busca de respostas e outras perguntas mais. A educação é um processo de persistência e amor, de desconstruções e esperanças, de luta e conquistas, de ética e superações. Muita energia para todos nós, momentos de descanso e saltos de qualidade. Felicidades mil. Maria do Rocio

    ResponderExcluir
  5. Jamille,
    Gosto de Rhoden porque sua ciência fala de auto-educação, mas, a tomada de consciência também requer mediação. E um bom mediador sabe cavar a falta, a necessidade, o desejo, a curiosidade, re-olhar o mundo com novos olhos depende de percebermos a relação de interdependência. Estamos numa corrente, somos um elo desse movimento, uma pequena parte da geometria da teia. Maravilhoso! Boa dica.

    ResponderExcluir
  6. "Feliz aquele que transfere o que sabe, e aprende o que ensina."
    Cora Coralina

    ESPERANÇA

    "Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
    Vive uma louca chamada Esperança
    E ela pensa que quando todas as sirenes
    Todas as buzinas
    Todos os reco-recos tocarem
    Atira-se
    E
    - ó delicioso vôo!
    Será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
    Outra vez criança ...
    E em torno dela indagará o povo:
    - Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
    E ela lhes dirá
    (É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
    Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:

    - O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA ...."

    (Mário Quintana)

    FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... está aqui para desejar para você um ano de 2010 de muita LUZ. Que nele você consiga realizar alguns de seus mais importantes propósitos.
    E que DEUS ÑANDE RU continue nos anemçoando COM A SUA ETERNA GRAÇA pelo resto de nossas vidas. Agradeço sua presença em meu blog durante o ano de 2009 com seus comentários sempre muito carinhosos e relevantes. E como já é tradição em nossa cultura trago algimas simpatias para entrar o ano de bem com ele. BOA SORTE.
    QUE SEJAMOS FELIZES.
    FELIZ ANO NOVO ! QUE OS BONS VENTOS SOPREM SEMPRE A SEU FAVOR EM 2010 !
    Saudações Florestais !
    http://www.silnunesprof.blogspot.com
    ..........................................

    ResponderExcluir